14 de abril de 2010

VÁCUO


No ensejo dessa manhã me pego a pensar na realidade que me acoberta,pensar no que não fiz é o que mas me consome ,e chorar pelo que não foi não faz parte de mim e assim no silêncio dos meus pensamentos me esqueço que não sei dançar talvez como o mundo percorre ,e a impressão que me ocorre é que sempre estou a um passo a frente ou dependendo do ponto de vista, a um a trás;
Sou feita de metades e cada uma delas hoje necessita de alguém , um amigo que esteja distante, uma mãe que já se foi , um amor que não busquei ,e ai percebo que a felicidade de um amor que nunca morre , está aqui comigo dentro dessa minha casinha reclusa que eu simplesmente me nego a abrir para evitar mais sofrimentos ou até mesmo ,para não criar expectativas para grandes ilusões.
E o silêncio com seu barulho perturbador não me deixa esquecer o que seria mentira ou que teria que ser ,talvez se compare com o que ninguém quer entender ou o que ninguém pode ser , mas no barulho do seu silêncio me faz entender o que ninguém pode ter.
É que nem sempre eu queira entender ,que você nem sempre está disposto a me ver de modo que fiquemos em um mesmo patamar , juntos em um só lugar ...

8 de abril de 2010

O TEMPO


O tempo que corta o vento ,
o vento que sopra o tempo ,
mãos que aquietam o tempo ,
afago que esquece a tempo,
vontades que se encerram a tempo,
saudades que se impõem ao tempo,
Esse tempo que se encerra em mim ,
como se não passasse ,
como se só ficasse,
como eu e fim!

2 de abril de 2010

Meu Blog


Sempre venho aqui e escrevo algo que estou sentindo ; coisas que representam muito a minha essência:Angústias , medos,certezas , saudades .
Hoje resolvi escrever sobre esse prazer , o sabor que minha boca degusta ao conseguir fazer escapar cada palavra incrustada em meu coração que não se ilude com palavras macias e delicadas, que se esconde atrás de verdades de papel .
A liberdade que me faz respirar mas livre como se nada pudesse abalar minhas convicções ,sobre as teorias de amor que rascunho a cada novo sol , que se desgasta com o brilhar da lua e renasce a mais um nascente.Esse desejo que nasce a cada novo sorriso , saudade , vazio .
E é quando me falta o respirar , que debruço-me ao desejo de meus dedos , olhos ,boca e coração .
São caracteres que parecem nada , mas que no fim me dizem tudo ,ao relê-los me encontro e às vezes me perco novamente , para esboçar um novo fim ou ter um novo começo .

1 de abril de 2010

Eu em Nos


São versos quase desconexos ,
que encontro meu reverso,
são chamas quase brandas ,
que encontro minha tortura,
São clichés em DVD's que me encontro com você !